Páginas

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Kill, Kill, Kill...


Caminhando pela estrada
As roupas manchadas de sangue
O Sangue dele escorria pelas mãos...
O Sorriso torto em meu rosto deixava as coisas mais aterrorizantes do que elas realmente eram
O corpo dele jazia jogado em algum canto da floresta
Ele provocara
Suas mãos gélidas sobre meu corpo me fizeram arrepiar
E eu nao o queria
Não entre as arvores como um animal no cio
"Não é assim que se trata uma dama..."
As mãos dele me puxaram os cabelos de forma violenta e me mordiscou o pescoço
Xingando-me
Eu nao o queria, nem ali nem em lugar algum depois de tal abuso
Mas ele era forte
Suas maos me mantinham presa no lugar
Abri a boca para gritar antes que ele tentasse algo
Em vão
Sua mão abafou meu grito tapando-me os labios
E sua boca desceu para o meu pescoço
Eu o acertei com meu joelho entre suas pernas
Ele amaldiçoou indo pra longe de mim e voltou com a mão erguida
O punhal em minha coxa me fora util finalmente
O acertei com o punho que o baqueou
Ele foi de encontro a arvore e eu gritei correndo contra ele
Ele jamais encostraria a mão em qualquer pessoa novamente...
O punhal rasgou sua garganta fazendo o sangue jorrar
Enfiei o punhal outra vez em seu ventre subindo ate a garganta vendo seus orgãos sairem
Ele jazia morto
Escorado contra a arvore
Joguei o punhal sobre o ombro e corri
Corria loucamente pela estrada ate que um carro vermelho parou ao meu lado
Oferecendo uma tão desejada carona
Sorri tremula agradecendo
Contando sobre meu infortunio
O jovem rapaz sorriu tentando se aproveitar de minha fragilidade
Deslizando a mao por minhas coxas a mostra
Sorri psicoticamente saltando para seu colo
Cravando as unhas em sua garganta

Eu gostaria de parar... Mas vocês não deixam...

Ela sussurrava depois de levantar do carro que capotara em uma das curvas.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

The Masquerade...


(Dica de musica: 
SoundTrack de Obscute The Aftermatch - Amy Needs Help 
SoundTrack de Obscute The Aftermatch - Bad Bohaviour) 



A pouca luz que iluminava o salão deixava-se perceber apenas um mar de mascarados...
Homens em seus ternos caros e mascaras negras,
Mulheres em seus luxuosos e volumosos vestidos com suas mascaras enfeitadas de penas.
Pareciam estar na antiga Veneza, a Veneza dos bailes de mascara...
A Musica tocada dava um ar sombrio ao lugar...
Ela sorriu de mão dada com Adrian que segurava-lhe firmemente.
Ele puxou-a contra seu corpo e começaram a valsar, quando se deu conta estavam a um canto da pista. Numa dança envolvente e sedutora, labios colados, ele erguia os braços dela acima de sua cabeça, Prendendo-a contra a parede, deslizando as mãos levemente ate sua cintura,
Puxando-a contra ele a fazendo gemer e estremecer com sua demonstração de excitação.
Ela geme sem se preocupar pois a musica extremamente alta abafara qualquer coisa...
Ele desce mas mãos puxando o longo e volumoso vestido dela para cima e sorri maliciosamente ao percebe-la sem calcinha.
Lolla morde-lhe o labio e Adrian geme afundando seus dedos entre suas pernas, sentindo sua carne molhada comprimir seus dedos...
Ela segura fortemente em seus ombros sentindo as pernas cederem, ele morde-lhe o pescoço a fazendo inclinar a cabeça para da-lo liberdade.
Ele sente o sabor de seu sangue o fazendo mais excitado a cada gemido...
As pessoas ao redoer nao os veem, empolgados demais com a musica, luxuriados demais com suas companhias, distraidos demais com as conversas e bebidas...
O casal continua sua libertinagem no canto escuro da pista de dança mal iluminada...
Lolla nao esta mais de pé, esta ajoelha chupando-o fortemente enquanto ele tem as maos em sua cabeça empurrando levemente...
Alguem se aproxima e ela sorri maliciosamente.
Adrian finge que nada esta acontecendo e diz que sua Lolla fora apanhar algumas bebidas, o homem sorri e finge desinteresse saindo dali...
Lolla o suga mais forte o fazendo e gemer e sente as mãos dele a puxa de volta para cima abrindo seu corset deixando os seios a mostra e ouve sua voz sussurrada repleta de ciumes:
- Você é minha... E ele a queria... Mas nao tera por que voce é completamente minha...
Lolla gemeu puxando os cabelos negros de Adrian desfazendo seu moicano enquanto ele começa uma lenta tortura em seus seios, mordiscando e apertando... Girando o mamilo entre os dedos a fazendo se retorcer e sentir sua umidade entre as pernas.
Adrian desce o corpo entrando sobre suas vestes, puxando uma de suas pernas para seu ombro e começa a chupa-la.
Ela geme mas se mantem firme, fechando o corset e abrindo o leque, Lolla se abanava tentando amenizar o calor que sentia com a lingua de Adrian em seu sexo. Mas ao sentir o vento leve fica mais excita ainda, mordisca o labio tentando manter uma respiração regular ao perceber que uma de suas amiga veio a procura de Adrian, ela sussurrava que ele era interessante...
Lolla sorria para ela e sussurrava:
-Tão interessante, pena que me perteça Judi... Adeus.
A garota faz uma carranca e volta para o meio da pista.
Lolla se desfaz encostando-se contra a parede e ele a penetra com sua lingua, sugando cada gota de sua excitação
Ela fecha os olhos inclinando a cabeça para tras e geme...
Adrian sai de debaixo de seu vestido e a beija, sentindo seu gosto contra a lingua de Adrian, Lolla  geme...
Ele a ergueu em seus braços sentindo seu membro deslizar por seu sexo facilmente.
Ela se contorce em seus braços cravando as unhas em seus ombros totalmente vestido,
Ele investe forte contra ela a fazendo senti-lo todo em seu interior, senti-lo latejar e faze-la gemer e quase gritar.
O ritmo aumenta e ela grita sentindo o apice de seu prazer,
Nao satisfeito ele a  morde novamente, o sabor de sangue unindo-se ao cheiro de sangue  é cada vez mais forte.
Sussurrando no seu ouvido o quão fodidamente bom é aquilo,
Fode-la em publico, sentir o coração disparar a cada pessoa que se aproxima e entao ele goza... Desfazendo-se dentro dela...
Ela sorri gemendo e ainda tremula  e o beija suavemente enquanto ele a coloca de volta no chão.
Adrian a abraça e ela fecha sua barguilha. Assim os dois voltam a pista de dança como se nada de mais tivesse acontecido...
Ele a toma pela mão e a gira em torno do salão, dançando colados, se amando ao som delicado da musica, sentindo a excitação crescer novamente a cada segundo que seus corpos estejam colado...

domingo, 1 de abril de 2012

Zombie Love - I



Deitada do meu lado ele parecia tão frio...
Quase imovel.
Mordi o labio suspirando
Eu queria um abraço, um afago, uma amostra de amor...
Me virei com os olhos fechados abraçando-o fortemente
Seu coração não batia...
Ele sussurrou alguma coisa inaudível
Palavras num idioma que eu nao conhecia,
ou ele estava bebado.
As ultimas que lembro são o som sirenes do lado de fora
E os dentes dele dilacerando minha garganta...

Amanheceu outro dia qualquer, olhei para o lado e ele já havia levantado
Chutei as cobertas me sentando na cama ouvindo a porta se abrir
La estava meu marido parado com uma bandeja de café da manhã pra mim.
Mimo era a palavra do dia de acordo com ele:
“ Tenho que mimar minha princesa”
Sorri enquanto degustava torradas com geleia e suco de laranja
Com um afago em meus cabelos e um sorriso sedutor ele tirou o pijama jogando-o para mim dobra-lo.
Era bom te-lo comigo todos os dias.
O quarto ainda estava escuro pelas cortinas fechadas.
Levantei abrindo elas sentindo o sol em meu rosto
O quarto cor creme se encheu de luz e ar fresco quando abri as janelas
Hoje seria mais um dia daqueles,uma pilha de papeis no escritório...
Sacudi a cabeça tentando curtir ainda estar em casa
Desci as alças da camisola deixando-a rolar por meu corpo ate meus pes.
Entrei no banheiro sussurrando no ouvido dele:
- Minha vez...
Ele sorriu me dando um beijo me puxando pela cintura enquanto esticava a mão pegando a toalha.
Trabalhar no hospital era stressante as vezes,
Ele chegava morto... Era jantar, tomar um banho e estava dormindo
Abraçado comigo.
Vi-o se vestir enquanto me exaguava fechando a agua pegando a toalha me secando:
- Jantar depois do expediente?
Sorri:
- Claro, te encontro as 8...
Ele saiu fechando a porta do quarto.
Sai do banheiro pegando meu terninho com saia pretos e suspirei.
O tribunal hoje seria o inferno na terra.
Mordi o labio prendendo o cabelo em um coque, peguei meu oculos, minha pasta e as chaves do carro.
Na ida o caminho estava ate livre, uma coisa estranha para uma sexta-feira de manhã
Dei de ombros estacionando o carro na garagem.
Os processos caiam em minha mesa como cascatas,
Revisa-los para passar aos advogados era maçante.
Mal almocei um sanduiche natural e ouvi gritos da sala do juiz
Diziam que ele teve um mal subito e foi levado as pressas ao medico.
Estremeci, o dia começava a piorar...
Voltei a minha mesa outras 3 pessoas haviam sido dispensadas...
Meu superior suava frio, tinha olheiras...
Ele Sorriu estranhamente pra mim antes de desmaiar na minha mesa.
Mais um havia ido para o hospital.
Sai do tribunal cansada, a cidade parecia cada vez mais vazia e calma.
Chegando em casa preparei a janta servindo a mesa.
O relogio bateu as 8...
Bateu as nove...
Nada. Sacodi a cabeça meio preocupada e subi pra cama...
Onde acabei adormecendo
Senti o corpo frio dele contra o meu...
Ele estremecia, de bater os dentes, soava frio
E estava de costas pra mim.
O que estava acontecendo?
Me virei pra ele na intenção de xinga-lo
Quando suas mão pegaram meus cabelos fortemente
A ultima coisa que me lembro de ouvir foram sirenes de ambulancia...

(Continua...)

Então... Aconteceu.


(Hurt – Nine Inch Nails = Musica inspiração)



Me cortava pra saber se estava viva...
Ou pelo menos tentava,
Havia prometido nao fazer mais.
Mas era dificil:
Eu via
Ouvia
Sentia as lagrimas rolarem
Mas já não doía
Eu estava anestesiada
Ria de coisas tolas como uma idiota
No meio de uma multidão
Lá estava eu, timida e sozinha
Olhando para todos perdida
Sem rumo

Me cortei só um pouco...
Eu queria sentir
Qualquer coisa...
Como numa musica:
“ Socorro não estou sentindo nada
Nem medo, nem calor, nem fogo
Não vai dar mais pra chorar... nem pra rir”
Sem lembranças
Era assim
Presa entre o nada
E o futura
Sem um passado
Sem presente
Apenas
Me cortei...
Nada muito grave
Nao há nem sangue
Apenas marcas
Marcas do que um dia eu fui
Marcas de coisas que me fazem sorrir
Sorrir Ironicamente e sussurrar:
- Hey... Quem jogou sua família no lixo foi você.
Não te culpo...
Curiosidade é uma coisa linda
Tanto é que matou o gato...
Matou sua felicidade, sua vida, seus sonhos
Mas tudo bem ter afogado os meus juntos...
Enquanto eu puder sentir esse formigamento por onde minhas unhas cravarem
Eu estarei bem
Eu estarei relativamente viva.

quarta-feira, 7 de março de 2012

Tempos modernos... Ou tempos de desordem?




Eu devo ter nascido na época errada...
Este lugar não é pra mim.
Não entendo os costumes,
A falta de valores,
As roupas (ou a falta delas),
As musicas,
A falta de respeito e compreensão...
Acima de tudo a falta de cultura.
Não compreendo o que essas pessoas tem na cabeça
Não vejo a graça que elas veem fazendo de tudo para terem um segundo sob os holofotes da fama,
Não vejo o motivo irracional que leva um rapaz matar a namorada por terem rompido um namoro
Não vejo letra, ritmo ou qualquer outra coisa em algumas musicas... Se é que se pode chamar aquilo de musica.
As pessoas não pensam mais em amar e ser amadas, pensam em simplesmente sexo. Sem compromisso, casual, algo que não passara de um momento de prazer.
Onde foi parar o romantismo? Tudo bem que algumas mulheres exigem seus direitos, acham machismo um cara um querer pagar a conta ou abrir uma porta...
Nao eu não sou machista, nem feminista, acho que cada um tem que ceder um pouco para tudo dar certo... É raro um homem dando flores, abrindo portas, ou fazendo outras gentilezas.
Esse mundo “moderno” as vezes me confunde. EU concordo com a tecnologia... Amo ela afinal sem ela, sem blogs ( \o/ ) mas a questão de valores, família, amor... tudo se perdeu... Tudo perdido numa imensidão de coisas sem nexo, corações partidos, filhos sem pai, garotas vulgares e outros tantos...
Se um dia entender eu escrevo mais.

sábado, 3 de março de 2012

Bad Dreams or Bad Things...




Eu me perguntava dia após dia como seria estar em seus braços...
Sentir seus lábios tomarem os meus no meio da cozinha,
Seus braços fortes me carregando me sentando em cima do balcão
Abrindo as pernas acariciando-me sobre o leve tecido da calcinha
Seu riso malicioso no meu ouvido
Fazendo-me umedecer...
Senti-lo mordiscar-me o pescoço e o colo ate chegar a meus seios...
Ouvir meu gemido me surpreender e ver seu sorriso vitorioso
Morder o lábio maliciosamente e desce a mão por seu abdome...
Acariciar o volume sobre sua calça e sentir seu corpo se arrepiar com isso
Tomar a situação...
Puxá-lo contra mim, mordendo seu pescoço
Colocar a mão por dentro de sua calça acariciando seu membro ereto.
Senti-lo me puxar selvagemente para seus braços
Rasgar minhas roupas e me tomar ali mesmo...
Fazer-me sua
Nossos gemidos se misturando
Você tomando-me duramente sob o balcão da cozinha
Puxando meus cabelos de leve
Fazendo com que eu chegue ao ápice...
Acordava arfante olhando o teto banhada pela luz do luar...
Maldito...
Queria ter uma noite calma desde que lhe conheci
Desde que lhe conheci e descobri o quao longe de mim você vive.

sexta-feira, 2 de março de 2012

In My Mouth...



O batom escarlate em meus labios o fazia me desejar...

Poderia rir desdenhosa que você ainda me desejaria...
Provoca-lo, seduzi-lo
Minha boca apenas se movia vagarosamente enquanto eu falava
Ele mal piscava observando a sutileza de minha língua ao umedecer meus labios
Minha boca o seduzia e eu sabia disso...
Mordiscava, fazia bico, e sentia o olhar dele ali...
Fixo...
Quando ele sussurrou:
- Me beija...
Sorri mordendo o labio olhando:
- Quando você aprender a olhar nos meus olhos um dia ganhe um beijo.
O rosto dele se desfez numa carranca de raiva me pegando pelo braço. Sorria olhando-o sem um pingo de medo no olhar:
- O que vai fazer? Roubar um beijo? Pressionar seus labios contra os meus?
Ele sorria maliciosamente olhando em meus olhos, seu olhar era profundo e me fez arrepiar...
- Nao... Estava apenas reparando nos belos olhos claros que você tem... Seu olhar me leva a olhar para seus labios... Pois sei que sairão deles o que seus olhos gritam.
O sorriso que se abriu em meus labios o fez sorrir e me beijar carinhosamente...
Desejo descrito em cada toque,  gemisdos em cada movimento sutil de lingua,
Seu sabor em meus labios, minhas unhas em sua nuca puxava-o para tomar mais de mim.
Arfante senti seu olhar serio em meus olhos.
- Belos labios...

Just a Kiss...




Podia ser simplesmente um beijo
Mas pelo beijo passei a ama-lo
Depois de algumas semanas conversando via MSN
Duas vidas ferradas... Dois corações destroçados
Um encontro desastroso...
Dois timidos mudos e de repente ao som de One...
O primeiro beijo... Simples, apaixonado, timido
Uma mão acariciava o rosto e as bocas se encarregavam do resto
um beijo apaixonado e demorado
Uma reação em cadeia
O coração dispara... Sentia o corpo tremer ao ouvir sua voz em cada ligação
Virar a noite conversando com você...
Nao sentir sono quando estamos juntos...
É meio estranho...
Mas é bom.
Interessante como um beijo desperta tantas coisas na gente.
Um beijo que na maioria das vezes é só mais um numero
Pra uma pessoa que ama é o inicio do resto das suas vidas.

Meu castelo de mentiras...


Olhava pra aquela casa...
Me arrepiava diante das lembranças
Boas ate certo ponto.
Dolorosas em todo o resto.
O presente não era como o arco-iris colorido e alegre que havia na parede.
Quando se descobre que tudo que você viveu foi uma grande mentira
As coisas começam a fazer sentindo e tomar o seu lugar de direito
Ela nunca foi um exemplo...
Ele era humilhado...
E mesmo assim sorria ao chegar cansado de um dia de serviço
Deitar no sofa para ver o jornal
E ouvir os filhos o aporrinhando.
Enquanto ela...
Bem ela acendia seu cigarro e voltava atenção para mais um torneio de buraco
As crianças se sentiam um tanto largadas,
Uniam-se...
Era a única esperança que tinham...
Apesar das brigas, estavam sempre juntos.
Olhando as fotos na parede ria com desdém
Mentiras...
Era apenas isso que cada foto em família representava
Um motivo tolo para uma traição
E tudo veio abaixo...
Dar uma chance... dar outra...
Mas persistir no erro é querer demais.
Deus perdoa... Mas a consequencia vem
De nada lhe adianta dobrar o joelho e orar...
O que você tinha você jogou fora.
Apenas para satisfazer sua curiosidade
Sua filha te atura...
Teu filho tem asco a você
E o homem que um dia te amou...
Apenas a quer longe.
Então cuidado ao resolver “saber como é tal coisa”
Se você viu a desgraça antes
Por que repeti-la?
Usar de Bom senso
E lembrar:
Se você ama demonstre...
Porque depois que você perde
Uma demonstração nao vale de nada.



Why?




Olhando o céu noturno imaginando-o aqui.
Sua presença me acalma, sua voz me excita...
Mas acima de tudo só de estar do seu lado estaria feliz.
Estaria bem...
Me faria esquecer das tristezas e de todo resto
Seriamos apenas eu e você...
Suspirei sentindo as lagrimas em meu rosto.
Mas era impossível... Nada mais era possível.
Não nesse momento... Não nessa vida.
Porque o destino foi cruel...
Ou teria apenas você sido um idiota?
Ao dizer que me amava e mesmo assim
Negar e simplesmente terminar comigo.
A vida foi má?
Ou você jugou demais o pouco que viu?
Como começou, terminou.
Por uma conversa... Mas sem sorrisos
Apenas com lagrimas e magoas
Uma ferida aberta ainda sangra...
E o coração ainda pulsa...
Clamando por um pingo de amor
Um pouco do que eu dei...
Só um pouco do que eu dei sem pensar,
Sem exitar,
Sem me importar com a distancia ou qualquer outra coisa
E perdi...
Perdi mas nao me importo.
Continuo sentindo o coração pulsar
Com o peito aberto vejo o sangue escorrer a cada palpitação
Porque? Simplesmente porque te amo.
Te amo mas acabou
Te amo e a sua chance passou.
Me pergunto o porque
A cada eu te amo que você me diz.
Se há tanto amor assim
Porque partiu meu coração...

Alguem como Você...



Eu sentia o coração disparar ao te ver...
O rosto corava...
E meu estomago dava sinal de vida.
Poderia ser o que for...
Mas colocava um sorriso no meu rosto.
So de imagina-lo proximo a mim era...
Era um sonho...
Ou eu estaria acordando de um?
Nao importa... Chorei... Sofri
Mas seria feliz. Feliz por te-lo perto
Imaginar o seu toque,
Seu abraço,
Seus beijos...
O corpo arrepiava em antecipação so de imagina-lo.
Imaginar um sorriso iluminar seu rosto ao me ver...
Imagina-lo corar quando eu lhe abraçasse.
Eu queria apenas isso...
Alguem como você.
Alguem que me tire do serio,
Me irrite, mas me faça rir...
Me mime, mas me repreenda quando necessario
Alguem que ria das minhas piadas sem graça...
Pira minha cabeça... Me faz de boba...
Me magoa, mesmo sem querer... mas acima de tudo me ama.
Um abraço e meu dia seria salvo
Se transformaria no dia mais memoravel de minha vida
Seria o paraiso...

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Fairy Nothing Tales - 1 - Zombie Alice...




A garota olhou-se no espelho.
Cabelos desgrenhados, olhos arroxeados e a pele acinzentada... Parecia um tanto...
-Morta.
Isso...morta era a palavra certa. Sorriu admirando sua imagem perfeita.
Tic... Tac... Tic...Tac...
Ela olhou para os lados e o viu...Um rapaz, de colete e cabelos brancos com um relogio de bolso daqueles antigos...
Ele apontava o relogio e parecia ansioso: 
-É tarde... É tarde...
Ela o olhou sem entender... Sentiu o musculo do pescoço repuxar e começou a segui-lo, andando com dificuldade... Sorria olhando a pele corada dele, ele parecia delicioso. Se aproximou dele... Ele parou repentinamente olhando um buraco no tronco de um grande e velho carvalho... Ela aproximou os labios de seu pescoço e o mordeu... O grito dele a fez sorrir puxando uma lasca.
- Delicioso. Realmente delicioso...
Seus pensamentos gritaram enquanto ela tentou em vão segura-lo para morder mais. Com medo tentando se soltar das garras de Alice ele caiu pelo buraco esguichando sangue pelo pescoço. Mastigando aquele pedaço do garoto pescoço dele Alice sorriu pegando o relogio. Tic...Tac...Tic...Tac...Tic...Tac... o barulhinho a distraia... Deu alguns passos pra frente e sentiu o corpo cair por ondo o garoto havia caido. Sentia tudo rodar... caindo e caindo e caindo.
O corpo putrefato contra bateu contra o chao num baque suave... Sem dor Alice levantou-se sentindo alguns musculos repuxarem e começou a andar em direção a floresta que via pela frente.
Ouvia uma musica chata... que lhe daria sono em outrora caminhando com passos lentos, meio se arrastando ela viu uma mesa longa...
- Atrasada pro chá mocinha...
O rapaz de cabelos alaranjados e cara de maniaco sorriu tremendo com um bule de chá nas mãos. Alice andava trombando nas cadeiras. Ele estendeu a mão tremula com uma xicara quebrada para ela. A garota sorriu cravando os dentes em sua mao. Ele gritou puxando a mao deixando um pedaço em sua boca:
- Garota maluca!
Ela se aproximou mais lançando os braços a frente segurando-o pelo paleto ela mordeu seu labio e puxou. Ele gritava sentindo a pele de seu queixo ser arrancada. Ela sorria mastigando e mastigando, seu olhar vitreo o encarava. Ele não sabia o que fazer e apenas entregou-se a sua loucura... Alice o devorou pedaço por pedaço ouvindo o tic...tac... do relogio em seu bolso. Ela ainda estava atrasada. Saiu dali caminhando erroneamente por entre as arvores do bosque. Encontrou alguns guardas pintando umas rosas de vermelho: - Ela mandara cortar nossas cabeças... Pinte isso logo... 
- Cale-se... se alguém nos vir... Oh...quem és tu garota?
Alice olhou para eles responder mas apenas grunhidos saiam de sua boca... Ela mordeu a mão estendida do guarda e ele começou a gritar... Ela saltou sobre ele mordendo seu rosto. O outro guarda ouviu os gritos e veio tentando salvar o amigo já morto... Ele foi envolvido por uma fumaça roxa,começou a sufocar e caiu no chão. Alice olhou enquanto mastigava o guarda que estava por baixo dela a nevoa roxa se tornar um gato flutuante que olhava pra ela:
- Zumbis... Meu Deus... Onde esse mundo vai parar...
Ao terminar de dizer isso um tapete vermelho rolou por cima dele fazendo o gato sumir. Uma mulher gorducha atarracada chegou olhando a garota que mastigava seus guardas: 
- O que esta havendo aqui?
A garota levantou olhando a mulher que tinha uma coroa, obviamente ela seria uma rainha... Alice começou a caminhar, tentando falar... Em sua mente ela ouvia: 
- Ola vossa majestade, é um prazer conhece-la, sou Alice...
Mas a rainha só ouvia seus ganidos. Imponente a rainha começou a gritar:
- Cortem-lhe a cabeça... Nao deixe que ela se aproxime de mim.
Porem não havia mais ninguém ali, sus guardas jaziam desmaiados no chão. Os olhos do gato flutuaram ao redor do corpo de Alice com um sorriso malicioso.
- Querida... O almoço esta servido.
Alice sorriu esticando os braços putrefatos pegando a rainha pelos cabelos ela sorriu mordendo a orelha dela puxando. A mulher gritou e esperneou mas o gato passou por seu rosto a deixando imovel. Alice começou a devora-la completamente...
O gato enevoava o ambiente vendo-a devorar a vellha tirana o Tic-Tac no bolso de Alice silenciara. O coelho estava certo, ela estava realmente atrasada...

Atrasada para começar o terror na terra dos contos de fadas...

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Dead Memories...




Eu te amo...
Pra sempre...

Jamais pensei que o pra sempre durasse tao pouco.
Uma semana...
Uma maldita semana e então eu ouvia:
Ah a distancia é muita... não tenho vida... Nao tenho tempo!
Nao tem coração tambem?
Seis meses tentando esquecer mas doia...
Doia fazer qualquer coisa que envolvesse você
Maldito.
Eu so queria meu coração de volta...
Nao quero o seu, pois sei que vou quebra-lo.
Mal cuidei do meu, quem dira o dos outros
Contos de fadas são mentirosos e traiçoeiros...
A branca de neve precisou ser envenenada para o principe aparecer:
Isso quer dizer que ele esperou o melhor momento para te-la...
O momento em que ela estava fragil e desacordada, para receber um beijo...
A Bela Adormecida, Esperou o principe deitada... e dormindo xD
Mas eu não posso esperar.Um ano se foi...
E se eu to feliz sem esse pedaço que falta quer dizer que eu não preciso ficar esperando outro principe,
Eu tenho um do meu lado...
Que apesar de tudo tah desmoronando ele me da um final feliz...
Me faz sorrir e me abraça quando eu preciso... E apesar da distancia
Esta sempre comigo.

Sentado no escuro, não posso esquecer
Até mesmo agora, percebo o tempo que eu nunca terei
Uma outra história das Amargas Pílulas do Destino
Não posso voltar de novo


Sorria olhando o teto do quarto com as lagrimas caindo...
Eu te amava? Nao sei mais gostava de você.
Mas não ao ponto de jogar tudo pro alto...
Sendo que o eu tenho agora é tudo
Se comparar-mos ao nada do ano passado...

Nós nunca estávamos vivos, e nós não nasceremos de novo
Mas eu nunca sobreviverei com memórias mortas em meu coração
Memórias mortas em meu coração


E no final... Tudo não passou de uma brincadeira, Uma brincadeira quase mortal, que levou um pedaço meu. Que não volta mais...
Mas apesar de tudo, você ainda é importante pra mim...